António Feliciano de Castilho por seus paratextos

Ana Cristina Comandulli

Resumo


A utilização de paratextos como forma de alcançar um grande público, de atrair editores e de apoiar novos escritores possibilita identificar António Feliciano de Castilho (1800-1875) como um intelectual que entendia ser a sociabilidade um caminho necessário para o reconhecimento de um poeta. A importância da leitura desses paratextos para compreender o lugar do escritor na história literária oitocentista. As estratégias utilizadas para ampliar o número de leitores, divulgar novos escritores e aumentar o círculo de apoio mútuo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN: 2316-6134

A Convergência Lusíada é uma revista do Centro de Estudos do


Licença Creative Commons
A Revista Convergência Lusíada utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.