A casa e a escrita em Maria Velho da Costa e Marguerite Duras

Adília Martins de Carvalho

Resumo


A casa aparece nas obras de Maria Velho da Costa e Marguerite Duras como lugar privilegiado da escrita. A ligação íntima entre a génese da escrita e esse lugar — espaço interior que permite sua emergência e desenvolvimento — é sublinhada pelas duas autoras. Silêncio e solidão surgem como condições necessárias ao aparecimento da palavra escrita nesse espaço de intimidade que é a casa. A acuidade dos sentidos e a atenção das escritoras perscrutam os elementos que habitam o espaço, constituindo os pontos de partida de diferentes escritas que acontecem no interior íntimo das casas, sendo este também transformado em personagem viva. Entre outros, são aqui evocados os seguintes textos: Casas pardas (1977), O livro do meio (2006), Maina Mendes (1969), Écrire (1993) e La Vie matérielle (1987).

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN: 2316-6134

A Convergência Lusíada é uma revista do Centro de Estudos do


Licença Creative Commons
A Revista Convergência Lusíada utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.