Fora a cidade, o último coração do sonho, em Al Berto

Monica Munis de Souza Simas

Resumo


Este trabalho busca analisar o poema “prefácio para um livro de poemas”, de Al Berto, relacionando questões que envolvem a literatura, o espaço, a modernidade com o território da tradição, menos observado pela crítica contemporânea. A leitura parte do princípio de que o poema situa-se em um espaço intermédio, entre a intensidade da emoção que reside nos restos de metáforas expressivas do passado, por um lado, e a exatidão, tal como a definiu Italo Calvino, por outro. É minha hipótese de leitura que o poema mostre um salto em direção a uma terra coletiva e ancestral que resguarda o espaço cultural ibérico lírico.


Palavras-chave


tradição e modernidade; poesia portuguesa contemporânea; poesia e espaço.

Texto completo:

PDF

Referências


AL BERTO. O último coração do sonho. Org. Jorge dos Reis-Sá. Vila Nova de Famalicão: Quase Edições, 2006.

ANGHEL, Golgona. Al Berto oral. In: AL BERTO. O último coração do sonho. Org. Jorge dos Reis-Sá. Vila Nova de Famalicão: Quase Edições, 2006. p. 13-31.

______. Eis-me acordado muito tempo depois de mim: uma biografia de Al Berto. 2. ed. Vila Nova de Famalicão: Quase Edições, 2012.

BARRENTO, João. Geografia imaterial: três ensaios sobre a poesia. Lisboa: Documenta, 2014.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas III. Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. Tradução: José Carlos Martins Barbosa e Hermerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1995.

BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

______. A literatura e o direito da morte. In: A parte do fogo. Tradução: Ana Maria Scherer. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. p. 290-330.

CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. Tradução: Diogo Mainardi. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

______. Seis propostas para o próximo milénio. Lisboa: Teorema, 1998.

JAUSS, Hans Robert. Tradição literária e consciência atual da modernidade. In: OLINTO, Heidrun Krieger (Org.). Histórias de literatura: as novas teorias alemãs. São Paulo: Ática, 1996.

JUNG, Carl G. O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1964.

MARTELO, Rosa Maria. Vidro do mesmo vidro: tensões e deslocamentos na poesia portuguesa depois de 1961. Porto: Campo das Letras, 2007.

MATOS, Olgária C. F. O iluminismo visionário: Benjamin, leitor de Descartes e Kant. São Paulo: Brasiliense, 1993.

O CÉU de Lisboa. Direção: Wim Wenders. Portugal. 1984. 99 min.

PAZ, Octavio. Os filhos do barro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

RECKERT, Stephen. Para além das neblinas de novembro: perspectivas sobre a poesia ocidental e oriental. Tradução: Dídia Marques Reckert. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1999.

ROUANET, Sérgio Paulo. Édipo e o anjo: itinerários freudianos em Walter Benjamin. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

SHORSKE, Carl E. La idea de ciudad en el pensamiento europeo de Voltaire a Spengler, Punto de Vista, Buenos Aires, n. 30, jul./oct., 1987.

WENDERS, Wim. A paisagem urbana. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 23, p. 180-189, 1994.

ZAMBRANO, María. A metáfora do coração e outros escritos. 2. ed. Introd. e trad. José Bento. Lisboa: Assírio e Alvim, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN: 2316-6134

A Convergência Lusíada é uma revista do Centro de Estudos do


Licença Creative Commons
A Revista Convergência Lusíada utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.