'Memórias' [e paixões] 'de um doido': desatinos amorosos no romance de A. P. Lopes de Mendonça

Julianna Bonfim

Resumo


As relações amorosas nas Memórias de um doido, de A. P. Lopes de Mendonça, são exemplares do sentimento romântico, com os encontros e desencontros, as decepções e as paixões avassaladoras. O romance narra a trajetória de um jovem rapaz que sonha em ter sua escrita reconhecida. Inadaptado na sociedade em que vive, ele passa por três episódios amorosos frustrados – com três mulheres de personalidades muito diversas –, o que o distancia ainda mais tanto da carreira de poeta quanto da tão sonhada plenitude amorosa. Com seu talento para os temas políticos, Lopes de Mendonça cria um romance em que a desilusão amorosa e a crítica social, sobretudo às aparências, figuram como temas principais. A obra foi considerada por muitos estudiosos um texto biográfico. E levando-se em conta que Mendonça passou os últimos cinco anos de sua vida (1860-1865) internado no Hospital de Rilhafoles, o livro, cuja última versão é de 1859 – soa quase premonitório. Os amores desse “doido” são o objeto de estudo deste trabalho.


Palavras-chave


Romantismo; A. P. Lopes de Mendonça; Oitocentismo; amor romântico.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN: 2316-6134

A Convergência Lusíada é uma revista do Centro de Estudos do


Licença Creative Commons
A Revista Convergência Lusíada utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.