Entre Frisos, História verde e Invenção do dia claro de Almada Negreiros, aproximações às Tisanas de Ana Hatherly

Maria de Fátima Lambert

Resumo


Atendendo às tipologias breves da escrita confrontam-se textos de Almada Negreiros e de Ana Hatherly, na conivência de imagéticas suscitadas por ambos os autores. O entrecruzamento vérbico-visual é matéria explicitada a partir de casos literários escolhidos na obra dos dois escritores portugueses. Privilegiando a materialização visopercecional do corpo enquanto substância multimorfa em Frisos, História verde e A invenção do dia claro, contextualizado em cenários e paisagens que o destacam. Sob auspícios iconográficos e verbais escritos e por afinidades eletivas apresenta-se um contributo para leitura das 463 Tisanas de Ana Hatherly, destacando ideias que se aproximam dos termos abordados em Almada Negreiros, assim iniciando uma via de interseções plausível em processo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN: 2316-6134

A Convergência Lusíada é uma revista do Centro de Estudos do


Licença Creative Commons
A Revista Convergência Lusíada utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.