Regimes visuais do colecionismo orientalista e do fascínio sinófilo português em Macau

Caroline Pires Ting, André da Silva Bueno

Resumo


Um exemplar do livro intitulado Notas sobre a arte chinesa, publicado pelo colecionador José Vicente Jorge em 1940 e reeditado em 1995 pelo Instituto Cultural de Macau, encontra-se no acervo do Real Gabinete Português de Leitura, o qual pretendemos explorar. Apontamos a obra de um colecionador como ponto de partida para a observação de seu papel como mediador linguístico e cultural. A escolha das obras que compõem seu catálogo de objetos artísticos fornece uma descrição cronológica da arte chinesa e das suas principais produções em cada dinastia.
Ademais, analisaremos as obras de um pintor atuante em Macau na época em que Jorge escrevera suas Notas. Assim, veremos de que maneira a obra pictórica de Fausto Sampaio insere-se na tradição naturalista de pintura que, desde meados do século XIX, procura fixar em telas a diversidade dos costumes nacionais. Sampaio vem a ser testemunha ocular do Império ultramarino português. Estudaremos como suas imagens foram instrumentalizadas com fins políticos, desempenhando um papel na construção de uma identidade nacional continuamente evocada pela propaganda do Estado Novo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEMBERT, Francisco. Para uma história (social) da arte brasileira. In. BARCINSKI, Fabiana Werneck (Org.). Sobre a arte brasileira da pré-história aos anos 1960. São Paulo: Sesc São Paulo/WMF Martins Fontes, 2015.

AMARO, Ana Maria. Aquarelas de Macau – 1960-1970: cenas de rua e histórias de vida. Macau: Comissão Territorial de Macau para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1998.

AMEAL, João. Mostruário do Império (a propósito da Exposição Colonial do Porto), O Mundo Português, ano I, n. 3, 1934.

ANSELMO, Manuel. A ideia portuguesa de império, O Mundo Português, ano II, v. II, 1935.

BANCEL, Nicolas. Un événement oublié de la république coloniale: 1931! Tous à l’Expo…, Le Monde Diplomatique, jan. 2001.

BARCINSKI, Fabiana Werneck (Org.). Sobre a arte brasileira da pré-história aos anos 1960. São Paulo: Sesc São Paulo/WMF Martins Fontes, 2015.

CÂNDIDO, Antônio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. São Paulo: Martins, Belo Horizonte: Itatiaia [u.a.] 1997.

CLARK, Timothy James. The Sight of Death: An Experiment in Art Writing. Yale University Press, 2006

FOSTER, Hal. O retorno do real: a vanguarda no final do século XX. Trad. Célia Euvaldo. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

GOMES, Gonzaga. Curiosidades chinesas: o Museu do Senhor Vicente Jorge, Renascimento, n. 2, 1943.

JORGE, José Vicente. Notas sobre a arte chinesa. [1940] Intr. Pedro barreiros. 2. ed. rev. e aum. il. Macau: Instituto Cultural de Macau, 1995.

LABORINHO, Ana Paula; PINTO, Marta Pacheco. Macau na escrita, escritas de Macau. Ribeirão: Húmus, 2010.

MOUTINHO, Mário. A etnologia colonial portuguesa e o Estado Novo. In: O fascismo em Portugal. Lisboa: A Regra do Jogo, 1980.

PEDROSA, Mário; ARANTES, Otília. Modernidade cá e lá: textos escolhidos IV. São Paulo: Edusp, 2000.

PEREIRA, Teresa Isabel Matos. Uma travessia da colonialidade: intervisualidades da pintura, Portugal e Angola. 2011. 586 p. Tese (Doutorado em Belas-Artes, especialidade de pintura). — Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas-Artes, Lisboa, 2011.

PICCOLI, Valeria. O olhar estrangeiro e a representação do Brasil. In: BARCINSKI, Fabiana Werneck (Org.). Sobre a arte brasileira da pré-história aos anos 1960. São Paulo: Sesc São Paulo/WMF Martins Fontes, 2015.

PORTELA, Arthur. Fausto Sampaio: o pintor do Oriente expõe nas Belas Artes. Diário de Lisboa, 4 dez. 1939.

SALAZAR, Antônio de Oliveira. Discursos e notas políticas. Coimbra: Coimbra, 1961. v. 1.

SAMPAIO, Maria José; AMARO, Ana Maria (Coords.). Macau que Fausto Sampaio sentiu: o pintor Fausto Sampaio e a sua obra. Lisboa: Missão de Macau em Lisboa, 1992.

SERRÃO, Vitor. Mecenas e colecções em Portugal na Idade Moderna: dos Castro da Penha Verde aos Basto de Évora, e uma encomenda em Pernambuco. In NETO, Maria João; MALTA, Marize (Eds.). Coleções de arte em Portugal e Brasil nos séculos XIX e XX: perfis e trânsitos. Lisboa: Caleidoscópio, 2014.

TING, Caroline P. A arte da cópia ou O artista-copista. In: XEXEO, M. F. B.; BARACAL, A. B.; TING, Caroline P. Três culturas e uma pintura: a morte de Germânico. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, p. 21-25, 18 maio 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN: 2316-6134

A Convergência Lusíada é uma revista do Centro de Estudos do


Licença Creative Commons
A Revista Convergência Lusíada utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.